Instagram

21 julho 2017

Homestyle | 10 truques para conseguir uma decoração perfeita!

 A nossa casa é o nosso espaço e diz muito de nós, da nossa personalidade e do nosso gosto pessoal. É fácil encher uma divisão de móveis e bugigangas decorativas, difícil é conferir alma e detalhes verdadeiramente úteis.

 Cada um tem o seu estilo e deve respeita-lo porque o nosso lar é o nosso ninho e o facto de ter uma sala saída de uma revista de decoração mas não nos sentirmos confortáveis é terrível e devemos evitar ao máximo. Estilo sim mas conforto acima de tudo. Como gosto de dizer muitas vezes, a nossa casa é para ser usada, vivida, e não para mostrar aos amigos em dias de festa. Sabem qual o melhor acessório decorativo que vocês podem mostrar às visitas? Que mora gente lá dentro e que aproveitam cada detalhe da vossa casa.

 No post de hoje preparei um texto onde falo de 10 truques, ou conselhos, para conseguirem uma decoração gira, prática e perfeita! 

 
1 . Definir o estilo e a paleta de cores

 
Imagem via Decor Facil

 O estilo depende da nossa personalidade e do nosso gosto. Se há um tempo atrás pensava que queria uma casa só de linhas direitas, hoje em dia mudei um pouco a minha opinião. Existem poucas pessoas a adoptar o estilo clássico, aquele estilo em que predomina o carvalho e os móveis são pesados e com ornamentos. O rústico, desde que bem conjugado, pode conferir ambientes de sonho e com aquele toque campestre que tantas pessoas admiram. Depois existe o estilo moderno, o romântico, o provençal. São infinitas as possibilidades e vai depender da nossa vontade, do tamanho da  casa e do valor que podemos gastar.
 A primeira coisa a definir é o estilo e a segunda é a paleta de cores a utilizar. Felizmente o André concorda comigo e dei o braço a torcer para fugir dos rosas. Escolha duas cores neutras e duas cores contrastantes que resultem bem entre si. Sucesso garantido. 


2. Crie ilusão de espaços maiores


Imagem via Salve a Noiva


 Se a casa não é grande deve apostar em pouca mobília, aparadores e móveis mais pequenos. Um dos meus truques preferidos para ampliar os espaços são os espelhos. Se tiver uma divisão com a quantidade certa de móveis e pormenores pode criar a ilusão de um espaço muito maior se colocar um espelho. Podem ser os nossos melhores amigos e não é apenas na hora da selfie. 


3. Espaços pequenos, cores neutras


Imagem via Sunday Chapter


 Um dos factores que mais "encolhe" uma divisão é a aplicação incorrecta de cores. Seja nas paredes ou no mobiliário. Se a sala de estar não é a maior do mundo e vai pintar paredes muito escuras e optar por cores de madeira muito escuras vai estar a minimizar o espaço em termos visuais. Se for uma divisão ampla pode apostar no escuro, se for uma divisão pequena privilegie os tons neutros.


4. Três tipos de iluminação para cada divisão


Imagem via Almoço de Sexta


 A iluminação é a nossa melhor amiga. Tal como uma fotografia fica totalmente diferente quando tirada com a iluminação certa, também a nossa casa pode ser beneficiada ou prejudicada tendo em conta o tipo de iluminação adoptada. A primeira luz a privilegiar é a natural, aquela que entra pela janela. Não existe nada melhor numa casa que as janelas a deixarem entrar o sol e a luz. Jamais tape janelas com móveis, dê preferência a cortinas de tecidos mais fluídos e que deixam entrar melhor a luz e se não houver perigo de mirones afaste as cortinas durante o dia e deixe que a casa ganhe luz e vida.
 Para além da luz natural devemos sempre ter a luz principal, aquela que usamos quando o sol se põe e que por norma aplicamos no tecto para ter uma área de iluminação mais abrangente. 
 Por último, e não menos importante, não se esqueça da iluminação secundária. Pode ser um candeeiro numa mesa de cabeceira ou num móvel  de apoio ou um candeeiro de pé. Óptima para criar ambientes mais intimistas que convidam ao aconchego e ao relaxamento. A luz é a coisa mais importante de uma casa, não a negligencie por favor.


5. Faça crescer as paredes



 Não se preocupem que não vos vou sugerir obras e que arregacem as mangas e carreguem baldes de cimento. Também não vamos dar Danoninhos às paredes para elas crescerem uns centímetros. A verdade é que se dermos a ilusão que as paredes são mais altas também vamos estar a fazer crescer a divisão. Nada vai crescer, apenas podemos dar a ilusão de paredes mais altas. O melhor truque é aquando da aplicação das cortinas. Por norma aplicam-se poucos centímetros acima da caixa dos estores mas se elevar a posição do varão da cortina vai dar um Up à divisão. Cortinas compridas e com riscas verticais também são excelentes escolhas para divisões mais pequenas.


6. Peças que atraem o olhar



Imagem via Automatism

 É fácil decorarmos uma casa hoje em dia com um orçamento reduzido. Existem alternativas muito em conta e de durabilidade razoável. No entanto, já me aconteceu entrar em casas totalmente decoradas by Ikea e parecem todas iguais, com as mesmas peças. A minha sugestão é que posicionem peças de destaque, que façam com que os olhos lá batam. Peças bold, que sejam statement e sobressaiam no meio de móveis que milhares de pessoas têm. Ou um quadro grande, uma poltrona de cor diferente, um canto de leitura, etc. 

7. O exterior também conta!



Imagem via The Merrythought

 Mesmo que não tenham o privilégio de ter um quintal que possam decorar para momentos em família no exterior, façam qualquer coisa pela varanda maior da vossa casa, pelo terraço. Vivemos num país em que podemos aproveitar o Verão em longos sunsets e as manhãs solarengas de Inverno. Não só de plantas vive uma varanda por isso comece por proteger os mosaicos com pavimento deck e complemente com plantas e poltronas ou puff´s coloridos. É possível criar ambientes fantásticos com pouco dinheiro, prova disso são as possibilidades infinitas de criar peças exteriores com a utilização de paletes de madeira. 


8. Crie a sua própria arte



 Eu gosto de detalhes diferentes, detalhes que me façam olhar para aquela peça com sentimento. A decoração da nossa casa não deve ser apenas "mais uma bugiganga para limpar o pó". Devemos olhar e sentir que é A peça que faltava ali e não podia ser de maneira diferente. E como podemos nós criar arte? De variadíssimas formas, desde a criação de uma Wall of Fame onde as fotografias de família contam uma história, vasos para suculentas pintados por vocês, uma cabeceira de cama feita com paletes de madeira, uma estante feita a partir de caixas de fruta. As ideias são imensas, o espaço é que por norma é reduzido. 


9. Mix it up!


Imagem via 100 Laye Cake


 Das melhores coisas que há para quem gosta de decoração é misturar! Misturar estilos, texturas, objectos que não parecem funcionar juntos mas no final fazem um brilharete. Onde gosto de ousar mais é na decoração de mesas. Adoro uma toalha de renda branca da minha Avó, pratos coloridos, centro de mesa floral e copos mais elegantes. Basta imaginação e bom gosto, as festas ganham outro ânimo e a alma também fica de "barriga cheia". 


10. No reciclar é que está o estilo!



Imagem via Little Piece of me

 Reciclar está na moda, felizmente! Que todas as modas fossem tão importantes como esta.
 Nunca passaram por um móvel abandonado num caixote do lixo e pensaram que podia ganhar nova vida? Apaguem a história daquela peça e comecem uma nova. Lavem, pintem e personalizem aquela que poderá ser a vossa peça bold que anteriormente falámos. 
 Vou ter o privilégio de reciclar a mesa da máquina de costura da minha avó (ainda com a máquina de costura mas escondida), envernizar e pintar as ferragens de preto e colocar como mesa de trabalho num canto da sala ou no quarto de hóspedes. Sempre disse que queria aquela máquina para mim, não só pelo significado evidente como também pelo meu passado ligado a uma marca de costura. 
Lembre-se sempre que todos os detalhes contam, desde o tapete da entrada ao copo que usamos para beber água. 






Desejo um excelente fim-de-semana para todos! 



SHARE:

13 julho 2017

Casamento: As tradições ainda são para cumprir?

 Lá vem a chata falar novamente de casamentos...É verdade!
 E quando for Mãe irei falar dos filhos, quando for avó vou falar dos netos de forma babada. É a ordem natural da vida e se a minha vida, neste preciso momento é feita disso, é isso que partilho e falo com vocês! Não falo apenas para quem sonha em casar-se mas também para todos aqueles que já se casaram um dia e guardam esse dia na memória como o grande dia da sua vida.

 O Homem é um animal de hábitos e de tradições, de práticas que nos fazem acreditar que se as mesmas forem repetidas ao longo das gerações a sorte nos protegerá e seremos imensamente felizes para o resto das nossas vidas. É nisso que queremos acreditar e é nisso que temos que trabalhar dia após dia, a felicidade trabalha-se e não cai do céu em forma de chuva. Existe tradições que já vêm de há muitos anos atrás, ainda do tempo da Grécia Antiga e dos Romanos. Para mim é fantástico que nos dias de hoje ainda  se cumpram tradições de gerações passadas. Acho isso fantástico! Por isso, a minha resposta à pergunta do título é SIM, as tradições ainda são para cumprir. Falo por mim e no meu caso, claro. Sei de pessoas que não querem saber de tradições e respeito isso a 100%. No entanto, resta frisar que eu não vou adoptar todas as tradições ligadas ao matrimónio pois isso seria de loucos. Vou sim adoptar aquelas que para mim têm mais lógica. Vou falar de algumas das tradições que acho mais bonitas e que espero cumprir no dia do meu casamento. Falarei de outras que não vou cumprir mas que acho piada à origem ou história.

Como manda a tradição, começamos com o pé direito ao falar da minha parte preferida.

1. O vestido branco



Imagem via Wedding Forward

 Um dos motivos que torna o casamento como um acontecimento de sonho para muitas mulheres é poder usar um vestido digno de princesa! A tradição manda que seja branco para simbolizar a pureza da noiva. A primeira cultura a adoptar os vestidos brancos foi a cultura chinesa e essa tradição espalhou-se pelo Mundo e perdura até aos dias de hoje. No entanto, nos anos da era renascentista achavam que o preto era o novo branco. Felizmente a moda passou rápido!
 Existem outras tradições ligadas ao vestido que devem ser tidas em consideração nomeadamente o facto de que o vestido não deve ser confeccionado pela própria noiva e ninguém o deve ver até ao dia do casamento. Muito adepta de tradições casamenteiras, a minha Mãe só quer o vestido em casa no dia do casamento, até lá fica na casa da Tia para não haver tentações de espreitar. Ela só faz isto porque foi a primeira pessoa a ver-me vestida de noiva, caso contrário estaria roída de curiosidade. 
 Para além da cor branca, o vestido da noiva deve ter algum pormenor em renda que simboliza a delicadeza e elegância feminina. 
 Confesso que já quebrei a tradição, o mundo tecnológico e a mania das selfies fez-me tirar meia dúzia de fotos ao vestido para mostrar ao Pai, ao mano, à melhor amiga. MAS ao vivo é outra coisa por isso não conta.


2. As alianças



Imagem via Etsy

 As alianças são o símbolo de fidelidade do casal. Sabemos que isto é um assunto para dar e vender, sabemos que é um anel que se tira e põe mas vamos focar-nos na parte romântica da questão.
 A moda do anel no dedo anelar esquerdo já vem do tempo dos nossos amigos gregos e perdura até aos nossos dias. Sou fiel ao clássico e as minhas são de ouro amarelo, amendoadas e de largura q.b. Olhei para elas e disse que eram aquelas. É prática comum o noivo usar a aliança com o nome da noiva gravado e a data do casamento na parte interna da aliança e vice-versa. Podem escrever uma alcunha ou uma frase mas não se podem alongar se tiverem dedos esguios. 
 E porque se usa na mão esquerda depois do casamento? Segundo dizem, no dedo anelar esquerdo  passa uma veia directa ao coração. 
 No dia do casamento, a noiva pode passar o anel de noivado para o anelar direito para depois receber a aliança no anelar esquerdo. Muito importante, nunca deixem que ninguém experimentem as vossas alianças pois dá azar. Xô! Longe da porta!

3. Uma peça nova, uma peça velha, uma peça azul e uma peça emprestada


Imagem via Wedding Party

 Desde que anunciei que ia casar que oiço a lenga-lenga do "novo, velho, emprestado, azul". Já sei, já decorei que tenho que levar uma peça nova, uma peça velha, uma peça emprestada e um pormenor azul.
 Quanto ao pormenor azul, é sinónimo de pureza e o mais habitual é usar uma liga (pureza e liga não combinam muito bem mas adiante) com um laço azul e temos o assunto arrumado. A peça nova a representar a nova etapa é fácil, no meu caso é o vestido de noiva, o véu, os sapatos, a lingerie, os brincos. Quanto à peça velha...não é muito velho mas o anel de noivado deve encaixar nesta definição. Onde estou a ter mais problemas é na peça emprestada de alguém que esteja casada e a sua relação seja feliz. Primeiro não queria levar nada emprestado de ninguém e em segundo não me sinto confortável pois tenho medo de estragar. Mas acredito que tudo se irá resolver da melhor forma.

4. As amêndoas como oferta aos convidados


Imagem via Etsy


 Eu ainda sou do tempo em que as noivas ofereciam um saco de tule com cinco amêndoas no seu interior. Ao fim de algum tempo começava a ganhar um cheiro a ranço, nós não comíamos por pena e tinham que ir para o lixo. Hoje em dia já ninguém oferece as famosas amêndoas porque nasceu o Pinterest e há ideias a pontapé. Mas qual o verdadeiro significado das amêndoas?
 Cada amêndoa tem um significado: felicidade, saúde, fertilidade, longevidade e riqueza. Foram os nossos ragazzos italianos que começaram com a moda da bela da amêndoa. Simbolizam o desejo dos convidados para com os noivos. 

5. Roubar as figuras do bolo


Imagem via Good House Kipping 

 Nos casamentos de há uns anos atrás, era normal o bolo ser colocado numa mesa antes da refeição e os convidados podiam logo ver a decoração do bolo. Os noivos tiravam fotografias junto ao bolo antes da entrada dos convidados. Era prática comum o rapinanço dos bonecos do bolo ainda antes dos noivos entrarem no copo de água. Ou seja, quando os noivos iam partir o bolo já os bonecos estavam na mala do carro de algum familiar ou amigo. 
 Hoje em dia esta tradição requer muita mais prática. E porquê? Como o corte do bolo é quase sempre no exterior e acompanhado de fogo de artifício e balões luminosos a subir aos céus o bolo só é colocado na hora do corte e do brinde. Os ladrões têm que ter mais jogo de cintura para conseguir sacar os bonecos sem que os noivos notem. É fácil, basta os noivos estarem embevecidos a olhar para o céu ou a tentar cruzar os braços sem partir as flutes de cristal para que umas mãozinhas sorrateiras saquem o tesouro. Desafio para os meus convidados: em primeiro lugar treinem os bíceps umas semanas antes para conseguirem roubar as figuras, em segundo lugar tentem que a minha mira raio x não vos alcance, em terceiro lugar são fortes candidatos a um castigo se forem apanhados e humilhação perante o resto da malta. Têm que dançar a dança do pinguim sozinhos, três voltas completas ao salão. Em quarto lugar, e não menos importante, se conseguirem a proeza de fanar os bonecos e tiverem que marcar um jantar um ano depois para os devolver tem obrigatoriamente que ser uma mariscada. 

6. Comer bolo dos noivos um ano depois. Nhami!


Imagem via Hi Miss Puff

  Esta vai ser uma tradição muito complicada de cumprir, no meu caso. Em primeiro lugar eu não como bolos de um dia para o outro quanto mais de um ano para o outro. O meu estômago sente-se logo ameaçado. 
  Mais uma tradição antiga que diz que a primeira camada do bolo deve ser guardada e congelada para que o casal possa comemorar um ano depois o seu primeiro aniversário de casamento. Eu tenho para mim que quem inventou esta moda não sabiam cozinhar e pensou "Epa, fazer bolos daqui a um ano? Deixa "masé" cá guardar um bocado de bolo para a tia Porfíria que vou ver no Natal e para o nosso primeiro aniversário de casamento. Nunca tive mão para bolos!". Para mim a história é esta mas eu informo já que sou uma boleira de mão cheia e faço bolos FRESCOS muito bons mesmo. 
 Para além disso tenho um congelador pequeno, se vou guardar bolo como vou ter espaço para guardar 3 caixas de gelado, a tupperware de Chili e as pizzas? E depois ter que descongelar o bolo? Eu lá tenho tempo que um bolo descongele para o enfardar? 

 7. A entrega da Noiva



Imagem via United with Love

 Parou, parou, parou! Entrega da noiva? Então mas as moças são mercadoria que se troque? Isto soa mal mas hoje em dia é algo bonito, um sinal de respeito mas há uns anos atrás não era bem assim. Quando o Pai entregava a filha ao futuro marido dava-lhe também o dote como passagem de propriedade. "Epa futuro genro, toma lá a cachopa! Ela é tão chata que ainda te dou dinheiro por ela! Obrigadinho pá! Ah, no final dou-te a gratificação por fora pelo facto de lhe dares uns estalos quando ela põe perfume. Onde é que já se viu uma Mulher cheirar bem!". É assim que eu imagino a coisa há muito tempo atrás. 
 Depois a noiva posiciona-se do lado esquerdo do noivo. Antigamente era para o noivo ficar com o lado direito disponível para poder sacar da espada caso alguma ameaça se aproximasse. "Pimba, toma lá um retalho no bucho para aprenderes a não olhar para a sola do sapato da minha Mulher!". Toda uma delicadeza que me faz agradecer aos santinhos por não ter vivido nessa época tão...elegante.
 Felizmente hoje em dia já não há dote para ninguém e a entrega é feita com o máximo de respeito pelo Noivo e pelo Pai da Noiva. Para mim um dos momentos mais emocionantes do casamento. 
Conhecendo o meu Pai como conheço é Senhor para dizer "Boa sorte, agora atura-a tu e não aceito devoluções!".  


Vamos complementar este post com algumas superstições?

  •  Um Mulher não deve casar com um Homem cujo apelido comece com a mesma letra que o dela.
  • A Mulher só deve ter a iniciativa de pedir um Homem em casamento somente em anos bissextos. 
  • Uma Noiva não deve ver uma campa aberta no dia do seu casamento .
  • Os noivos não devem trocar os votos depois das 18h.
  • As damas de honor têm como função distrair os espíritos maléficos para que estes não saibam quem é a noiva. 
  • Caso a noiva encontre uma aranha no seu vestido é sinal de boa sorte.
  • O primeiro a adormecer na noite de núpcias será o primeiro a morrer. (Estou tramada.)
  • Se a noiva rasgar o seu vestido no dia do casamento é sinal que o mesmo acabará com morte. 
  • O véu protege a noiva dos maus espíritos. 
  • No dia do casamento a noiva não deve nunca andar para trás.


  

  




SHARE:

30 junho 2017

As 20 peças cinza | Decoração

  Decoração! Adoro decoração.
  Apesar de não ser daquelas pessoas que muda a casa de mês a mês ou todos os anos, gosto de pormenores que marcam a diferença. Sobretudo gosto de pormenores que digam muito sobre as pessoas que habitam a casa, que tenham o nosso cunho e que nos façam sentir bem desde o tapete da entrada até à chávena do café.
 Hoje em dia já não precisamos gastar balúrdios na decoração da casa. Existe uma oferta ampla, quer em tipos de artigos quer em preço. Confesso que me perco nas lojas de artigos para a casa e passo horas a olhar para caixas, pratos, tigelas, tapetes, suculentas, cactos, quadros.

 Cometi um erro muito grande quando comecei a fazer o meu enxoval e fui comprando o que gostava, sem nunca me perguntar se no final a bota batia com a perdigota. Escusado será dizer que hoje em dia não gosto de quase nada e são poucas as peças que consegui adaptar ao estilo de decoração com o qual mais me identifico. O que não suportava fui dando a quem precisava, felizmente fui tendo a oportunidade de ir substituindo aquelas peças por outras.

 A uns meses do dia C, quero que a casa esteja ao meu gosto e do André. Tenho plena consciência que existem peças que eu gosto mas que ele não gosta e por isso nem sequer perco tempo a pedir opinião porque sei que a resposta é um não redondo e certeiro. Contudo, 99% das vezes estamos de acordo e a muito custo lá o vou deixando escolher alguns pormenores da casa, dentro das possibilidades e orçamento disponível. Esse pormenores incluem acabamentos, nomeadamente azulejos. Azulejos esses que eu não dava nada por eles e são a coqueluche da casa e quem entra comenta. Tive que dar a mão à palmatória, pronto.

 Estou a pensar em partilhar alguns pormenores da nossa decoração e as histórias de algumas peças. Acreditamos piamente que é maravilhoso olhar para uma peça e ter uma história, ser a lembrança de uma pessoa ou de um lugar.

 A decoração final será em tons de cinzento, branco, preto e bege. São cores que ligam muito bem entre si e todas as divisões têm estas cores. O que irá variar são os apontamentos coloridos de algumas peças e têxteis. Gosto de uma casa minimalista, sem enchimento desnecessário e que seja de fácil limpeza! Bater com o aspirador e o dedo pequeno do pé em tudo o que é canto de móvel não é para mim. Quanto menos melhor.

 E devido ao facto do cinzento estar muito presente na nossa casa, hoje tomei a liberdade de seleccionar 20 peças na cor cinza, que eu gosto tanto! São peças que levava lá para casa sem chatices e, inclusive, há duas ou três que por acaso não resisti.

 Quero saber, quais são as vossas peças preferidas desta selecção?


 Bom fim-de-semana!




1. Vela aromática Herbe Douce  | H&M  2. Vasos | Ikea 3. Poltrona | Ikea 4. Tapete 70x140 | H&M 5. Moldura | Loja Querido 6. Saco Roupa | H&M 7. Almofada | Ikea 8. Almofada | Zara Home 9. Cesto metálico | H&M 10. Chávena | H&M





 11. Ímans nuvem | Papelaria Inédita 12. Estrela | Papelaria Inédita 13. Mesa de apoio | Casa 14. Papel de parede | Loja Querido 15. Ambientador varetas | Casa 16. Pote | La Redoute 17. Candeeiro de mesa | Loja Querido 18. Bule | Loja do Gato Preto 19. Tigelas | Casa 20. Caixa arrumação | Casa
SHARE:

28 junho 2017

Everybody says WEEKEND #1 | Beach Style

 Tecnicamente falta muito para o fim-de-semana.
 Teoricamente para mim hoje é sexta-feira.
 Efectivamente não enlouqueci. Amanhã é o feriado municipal da santa terrinha.
 Infelizmente calhou a uma quinta quando podia calhar a uma sexta-feira. Mas estou feliz, a cavalo  dado não de olha o dente!

 Por isso, e para ser diferente, decidi inaugurar hoje uma nova rubrica: Everybody says WEEKEND! Aquela palavrinha mágica na qual levamos uma semana inteira a pensar. A fazer planos, a imaginar como é bom passarmos algum tempo de qualidade com a nossa família. Verdade?

 E vamos dar o pontapé de saída da melhor maneira? Vamos? Então bora lá!

 Para inaugurar este novo tema, pensei em algo que faz todo o sentido nesta altura do ano: moda praia. Quem diz praia diz piscina, não se zanguem comigo. Se forem como eu, são hiper mega ultra práticas quando é maré de ir dar um saltinho à praia. Calções de ganga, top, chinelos, toalha and let´s go have some fun!

 E o mix que hoje fiz reflecte bem aquilo que gosto: prática e sem berloques desnecessários a enfeitar. Escusado será dizer que não uso brincos, 20 colares de prata com cruzes e medalhas de Santa Teresinha, 10 pulseiras do Senhor do Bonfim com três laços cada que sobrevivem desde a adolescência e não sou adepta do chocalho no pé. Sou discreta e não gosto de me assemelhar ao gado caprino e que saibam quando estou a correr desalmadamente atrás do senhor das bolas de berlim. Descrição e simplicidade.

E o que escolhi eu para um dia de praia ou piscina? Só coisas giras e práticas, claro está.
Apenas sabia que uma coisa era obrigatória. Ou melhor, duas coisas obrigatórias: fato-de-banho e cesto de praia. Duas peças imprescindíveis nesta estação e que são intemporais por isso no ano seguinte não se irão arrepender! Se vão poucas vezes à praia e à piscina façam valer o investimento no vosso cesto de praia e usem no dia-a-dia. Dica: Usem um lenço colorido com um nó na alça da cesta ou forrem as alças com o lenço, fica uma ideia mega gira! Ainda tem outra vantagem porque se forem às compras ao final do dia podem enfiar o pão e as cenouras no cesto e poupam 10 cêntimos no saco de plástico. Só boas ideias!

 Gosto sempre de marcar a diferença no look de praia e, como sou adepta de peças básicas e de cores neutras, opto por arranjar um necessaire diferente, colorido e chamativo. Como sou fã de melancias e ananases não podia faltar uma carteira alusiva a um destes frutos tão característicos do Verão.



Fato de Banho | Calzedonia
Camisola | Mango
Calções | Mango
Cesta de Praia| MO Fashion Store
Carteira melancia | Oysho
Toalha | Women´s Secret
Chapéu de palha | Mango
Óculos de sol | H&M
Sapatilhas | Cubanas 

SHARE:

26 junho 2017

Wedding Plan #3 - 6 dicas para a lua-de-mel!

 Depois de passarmos meses em modo bridezilla só queremos que chegue o casamento e depois, como recompensa de tanto trabalho e cansaço, a lua-de-mel! É o nosso prémio por organizar o evento da nossa vida, seja ele maior ou mais pequeno. Dá trabalho, sim senhor. É um dia mágico, sim senhor. Mas que levamos os últimos três meses a desesperar pela lua-de-mel também é verdade verdadinha! Eu que o diga pois só me imagino estendida num areal branco a emborcar caipirinhas e mojitos de 15 em 15 minutos. Quem diz a verdade não merece castigo!

 Adiante, deixemo-nos de mimimi e passemos ao que nos traz aqui hoje: 6 dicas para escolher a lua-de-mel!



1. Defina o orçamento

 Como em tudo o que planeamos no nosso casamento, também a lua-de-mel carece de um orçamento realista. Se só tiverem orçamento para irem até Palma de Maiorca durante 5 dias não se aventurem em viagens de 7 dias pelas Bahamas. Sim, as Bahamas estão-me atravessadas mas, lá está, o orçamento não me permitiu embarcar em aventuras para essas bandas. Se não podemos voar alto é preferível que nos mantenhamos por terra.
 Para quem decidiu que a viagem de lua-de-mel não é uma prioridade pode esperar pelo dinheiro recebido no casamento para re-pensar o destino e partir à aventura. É a vossa lua-de-mel, não importa "quando" nem "como" mas sim "com quem"!
 Ah, podem fazer aqui como a Ana que criou lista de casamento na agência de viagens e quem quiser contribuir para a nossa felicidade e mojitos à beira-mar pode fazer a sua contribuição. 

2. Escolher o destino a dois

 Esta segunda parte tem muito a ver com a primeira, claro está. Depois de um orçamento definido, chega a hora de escolher o destino. Se eu gosto de praia e o noivo nem por isso fica um pouco complicado escolher destinos onde o programa seja "beach all day". Se o noivo é dado a viagens mais cosmopolitas e eu começo a abrir a boca de 5 em 5 segundos depois de pôr um pé no museu, tem tudo para correr mal. Mas tenho a certeza que se tiverem gostos semelhantes ou que se possam encaixar vão encontrar um destino que satisfaça o vosso gosto. A falar é que nós nos entendemos e façam uma lista, separada, de destinos que gostariam de ir. Se não tiverem nenhum destino em comum têm a vida mais dificultada, se tiverem um ou mais destinos em comum podem então estão no bom caminho. 

3. Não deixes para amanhã a viagem que podes marcar hoje!

 Ah pois, fazer as coisas em cima do joelho pode causar confusão. A minha sugestão é que marquem com pelo menos 6 meses de antecedência. E porquê? Porque conseguem preços melhores, conseguem ter mais tempo para comparar entre agências qual o preço mais convidativo. Além do mais, se forem para países de clima tropical, convém que tratem do passaporte (não vão querer pagar a taxa de urgência) e que recorram a uma consulta do viajante pois dá muito jeito. 

4. Façam um plano da viagem e comprem passeios com antecedência

 Isto vai depender muito do vosso gosto e se querem realizar passeios ou não. Eu acho que devemos explorar o máximo possível e guardar um ou dois dias para actividades que são sempre divertidas e ficam para sempre na nossa memória. Ao final de dois dias de papo para o ar a apanhar com o solinho no esqueleto queremos um pouco de agitação e de fazer coisas diferentes, interagir com os habitantes locais, fazer umas comprinhas (de recuerdos para a família, não é meninas? :p) e conhecer outras coisas para além da praia, do quarto de hotel e do salão de buffet. Os hotéis têm esses tours/actividades à vossa disposição e podem comprar quando chegarem ou comprar online para evitar filas nas férias. 

5 . Fazer a mala com algum tempo de antecedência

 Se eu para o Algarve demoro 3 dias a fazer a mala, se vou para o outro lado do Mundo sei que vou ter que começar com 1 mês de antecedência. Não sou louca, sou prevenida. E isso tem-me salvo de muitos dissabores. 
 Sabem que existe a possibilidade da vossa mala ir parar a outro país e só vos chegar 3 dias depois não sabem? Não tem que acontecer mas PODE acontecer. E o que eu sugiro? Que na bagagem de mão levem uma muda de roupa, uns chinelos, um bikini e umas amostras de champô/gel duche/creme hidratante e protector solar. Para vocês e para a vossa cara metade que se acham os machões de serviço e não precisam dessas porcarias! É só até começarem a transpirar que nem uns dromedários, a roupa a colar ao corpo e os ténis a emanar cheiros absolutamente demoníacos. Eles vão gostar de vestir uma t-shirt familiar ao invés de uma que diga "I Love Maldivas" ou "Sobrevivi ao Furacão Muchacho 2017". Não há necessidade alguma disso e ainda poupam uns trocos. 
 Não esquecer dos carregadores dos gadgets todos, dos adaptadores de corrente e de tudo o que achem que vos pode salvar a vida lá do outro lado do oceano. Vejam também se o vosso seguro de saúde abrange despesas no estrangeiro para o caso de ser preciso. 

6. ...and HAVE FUN! 

 Esta é a parte obrigatória! É o vosso momento, aquele pelo qual esperavam há muito. Aproveitem e não levem preocupações com vocês na bagagem. Deixem a vossa casa e animais (caso tenham) a cuidado de três ou quartro pessoas, isto para não sobrecarregar uma única pessoa. Distribuir o mal pelas aldeias, é essa a ideia. Evitem ligar 12 vezes por dia a perguntar se a torneira estava a pingar, se deram duas voltas à chave, se tiraram o correio, se deram o snack especial ao Bobbi e se escovaram o tareco. Quem ficou com essa tarefa não vai achar piada e só os vão enganar uma vez.
 Aproveitem e abstraiam-se das redes sociais! Partilhem o necessário, apenas e somente isso. 
 Se a vossa viagem foi um presente fica bem tirarem uma fotografia na paisagem e enviarem como postal de agradecimento às pessoas envolvidas. Mostrem o vosso melhor sorriso e partilhem a felicidade com aqueles que vos são mais queridos! 
SHARE:

23 junho 2017

Beleza | Coconut Fever

 Com a chegada do Verão e do tempo quente só pensamos nas merecidas férias e em praias de areia branca, água cristalina e coqueiros. Ora e por falar em coqueiros, qual o cheiro mais característico do Verão? Sim, isso mesmo! O cheiro a côco é sinónimo de Verão.

 Por isso, hoje fiz uma selecção de alguns produtos de beleza onde existe um ingrediente comum: água de côco. E que benefícios tem este fruto?

 Em primeiro lugar, e para abrir já o apetite, é um alimento super saudável! Podemos colocar água de côco nos nossos batidos, óleo de côco no café, côco ralado nas papas de aveia, iogurtes, etc. Por ser uma gordura saudável, podemos substituir o azeite pelo óleo deste fruto mas pratos mais saudáveis e igualmente saborosos.

 Mas não é de comida que hoje falamos, é do cheirinho e das propriedades do côco. O seu óleo tem propriedades antibacterianas e ajuda a hidratar a nossa pele e o nosso cabelo. Para além destas propriedades suavizantes, o cheiro é super relaxante e já percebi que o meu humor melhora drasticamente quando utilizo algum produto com este aroma. A elasticidade da pele também melhora com o uso de produtos que contenham óleo de côco na sua composição e a pele ganha aquela sensação de conforto!

Usam algum destes produtos? Recomendam outros? Contem-me tudo!

Ah, e já agora desejo um fim-de-semana fantástico!



Champô Garnier Ultra Suave Água de Côco | Supermercados 
Creme de Mãos Coconut Oil, Palmer´s | Supermercados
Toalhitas de limpeza com Água de Côco | Sephora
Esfoliante corporal de côco | The Body Shop
Primer Marc Jacobs | Perfumarias 
Revlon Uniq One | Cabeleireiros e lojas de produtos capilares
SHARE:

19 junho 2017

Quando nos sentimos pequeninos!

 Ontem o dia amanheceu triste. As notícias que se encavalitavam nos feeds das redes sociais relatavam um cenário de horror, dantesco. O número de mortos aumentava com o passar das horas e o aperto no coração era cada vez maior e angustiante.
 Ontem não conseguia escrever algo com pés e cabeça, não conseguia expressar a minha revolta. A noite, passada em branco devido ao forte calor que se faz sentir no Alentejo, fez-me pensar em mil e uma coisas. Os trovões que se ouviam lá ao fundo já a madrugada ia avançada faziam-me estremecer. Para quem, até aqui, não percebia a razão da minha Brontofobia. Para quem achava que era uma fobia de gente maricas que não suporta o som de um trovão. Para quem ainda não tinha pensado que um "simples" raio pode originar uma tragédia com esta dimensão. Sim, eu já vi um raio incendiar uma árvore e a minha fobia começou nesse dia.
 O medo que me atravessa cada nervo quando oiço um trovão, quando vejo um clarão ou sinto a casa tremer em nada se assemelha ao medo sentido pela população de Pedrógão e das zonas envolventes. O pavor de ter que deixar uma vida de memórias para trás, um ninho que era nosso e que sabemos que vai ser consumido pelas chamas. Não há escolhas a fazer e o objectivo é apenas um: salvar a vida apenas com a roupa que se tem no corpo. Quando as forças lhes faltam, quando a Mãe Natureza ganha e nos mostra a sua verdadeira força infinita nada resta fazer senão desistir. Percebemos que os nossos problemas de caca do dia-a-dia em nada se comparam a estas vítimas que perderam tudo o que demoraram uma vida a conseguir. Queixo-me do calor infernal do Alentejo mas o meu pensamento está com as pessoas que perderam as suas vidas dentro de automóveis que atingiram os 600 graus. Eu não consigo imaginar, quem está a ler este texto também não.

 Numa altura em que o país está profundamente entristecido com o Inferno que vivemos em Pedrógão e outras localidades de Portugal onde deflagraram incêndios florestais, é altura de calar o bico com críticas descabidas para uma altura negra como esta. Não nos podemos nunca esquecer que quando apontamos um dedo temos três a apontar na nossa direcção. Sim, somos todos culpados.
Somos culpados quando criticamos e não damos o exemplo.
Somos culpados quando não limpamos os terrenos circundantes às nossas casas ou alertamos as entidades competentes. Eu já o fiz e surtiu efeito.
Somos culpados quando negligenciamos o nosso planeta que está farto de nos dar sinais e fingimos ser cegos.
Somos culpados por não assegurar o futuro dos nossos filhos e netos com práticas ecológicas.
Somos culpados quando apenas nos lembramos dos bombeiros nestas alturas, No final de Agosto está tudo esquecido e lá terão os desgraçados que fazer peditórios com rifas para a angariação de viaturas de combate a incêndios.
Somos culpados quando fechamos o vidro e dizemos que não queremos. Afinal para quê mais uma viatura? Não é para ostentação, posso garantir.
Os culpados somos nós que achamos que a Mãe Natureza não tem força suficiente para acabar com isto tudo. Precisam de mais provas?
E as alterações climáticas e o aquecimento global? A origem destas trovoadas secas e calor despropositado? Quem é o culpado? Não é só o José ou a Maria, somo todos nós. Nós que cometemos erros diariamente e nem sequer damos conta.

 Mas agora de que adiantam os queixumes? De que adiantam os apontares de dedo de reprovação? DE NADA! Nada vai trazer as pessoas que perderam as suas vidas de volta, nada vai fazer com que num estalar de dedos as casas voltem a ser edificadas e percam o negro do fumo pelo branco imaculado. Por isso, é hora de arregaçar as mangas e mostrar que para além de inconscientes também conseguimos ser solidários. Vamos apoiar as vítimas e todos os guerreiros da paz que deixam as suas famílias e vão defender outras famílias, outras casas, outras terras que não as suas. Vão defender com unhas e dentes aquilo que é de todos nós. Vão lutar até à última gota de suor, vão encontrar adversidades, mas vão e dão o peito às balas. Representam cada um de nós que neste momento se sente pequenino e com uma impotência sem medida. Representam todos aqueles que queriam lá estar de mangueira apontada ao inferno, a dar assistência mas por motivos óbvios não o podem fazer.


Vamos ajudar:

 Façam o vosso donativo para o Iban criado pela CDG como conta solidária para ajudar as vítimas que perderam TUDO.

 PT50 0035 0001 00100000 330 42

 Podem ainda fazer o vosso donativo ao ligar para a linha de apoio solidária 760 200 600 e assim doar 0.60€+IVA às vítimas desta enorme tragédia. 


 Felizmente a generosidade fez com que os bombeiros voluntários de Pedrógão não tivessem mãos a medir na logística dos bens alimentares recebidos até ontem à noite. Sugiro, por isso, que contactem organizações da zona para perceberem onde podem doar roupas e outros artigos a quem tudo perdeu para as chamas. Resta agora recomeçar do zero com a ajuda de todos nós, com um simples gesto que se torna gigante a quem neste momento não tem nada. 




SHARE:
Blogger templates by pipdig