09 novembro 2015

Have a wonderful week #25



     O truque é aproveitar a vida. Não desperdiçar os nossos dias à espera que os dias seguintes sejam melhores.


 No outro dia dei por mim a pensar que desperdiçamos muito do nosso precioso tempo. Adiamos sonhos e projectos por pensar que uma melhor oportunidade virá, que os ventos irão soprar a nosso favor e que o Universo irá conspirar para que tudo se realize. Devemos pensar mais em nós, parar para pensar e agir. Perdemos demasiado tempo a tentar mostrar aos outros aquilo que não somos, a mostrar a nossa vida nas redes sociais, a fingir que temos o nosso emprego de sonho e a tentar agradar a gregos e troianos. Eu já desisti. Ou melhor, parei de insistir.
 A idade não traz só rugas e responsabilidades, traz aquilo que de mais valioso temos na nossa vida: a sabedoria. Com sabedoria e persistência vamos onde queremos, com quem queremos, quantas vezes quisermos. 
 Essa sabedoria, que sei que é apenas a ponta do iceberg de toda a minha vida, ajudou-me a ter qualidade de vida. Porquê passar os nossos dias a tentar agradar este Mundo e o outro e não nos agradamos a nós mesmos? Porquê insistir em manter pessoas nas nossas vidas que não nos trazem nada de positivo? De que vale perder tempo a fingir que se gosta de algo ou alguém? Vale mesmo a pena ir a remoer para casa porque devíamos ter respondido de tal forma àquela fulana hipócrita? 
 Durante alguns anos lutei contra a ansiedade. Percebi a causa, arranjei a cura. Eram as minhas escolhas que me faziam mal, as palavras que deviam ser ditas mas que ficavam aqui a enforcar-me aos poucos. Sofria com medo de magoar os outros com palavras. Era apanhada na curva porque esses "outros" não se importavam se eu sofria ou não e diziam coisas que me rachavam ao meio. Também não ficavam ali a ajudar a juntar os pedaços partidos. Iam embora, viver a sua vida e estragar outras tantas. Sempre fui estúpida e ainda ficava a pensar "Coitadinhos, são dignos de pena".
 Estavam erradas? Não, quem estava errada era eu. Não me podia queixar daquilo que eu permitia. Deixei de me preocupar, de ligar, de falar até. Arrumei os cacos e comecei de novo. Descobri algo que me preenche por completo e segui o meu caminho. Deixei para trás quem tinha que deixar mas apanhei muita gente boa na viagem. 
 Cansei de ser básica, de ser estúpida, de ser burra. Hoje faço o que quero, uso o que quero e digo o que quero. Hoje sou eu mesma, aquela de quem eu gosto e tenho orgulho. Utilizo uma expressão, não muito bonita diga-se de passagem, para descrever o sentimento que tenho para com as opiniões dos outros: Tômacagáre, quercásaber! Com direito a pronúncia e tudo. 
 Deixei de guardar aquela saia rodada para um jantar especial, aquela lingerie vermelha de renda para um momento especial a dois, aquele serviço de jantar que só uso no Natal e aniversário, os copos de pé alto para bebericar um vinho especial e aquelas toalhas turcas ficam guardadas para as visitas. Uso o que quero e quando quero. Todos os dias são especiais e amanhã podemos não estar cá e vamos estar a dar voltas no caixão porque nos venderam o serviço de jantar Vista Alegre no OLX (não fui paga, mas como estou fofinha desta vez passa) por 15€ e a mala da Burberry na Feira da Ladra por 40€.

 Por isso faço o que quero e não estou preocupada com o que dizem ou pensam. Se me apetecer beber leite em copos de pé alto em vez de beber na caneca do Museu da Música, bebo! Se quiser dormir com pijamas de cetim e renda ao invés de dormir com os pijamas de malha polar com os Minions, durmo! Se quiser comer bife com ovo a cavalo no prato da Vista Alegre num jantar "Forever Alone", como! Ah, e se precisar mandar alguém à merda, mando! Na cara e com aviso de recepção. 






SHARE:

4 comentários

  1. Adorei este post! Dei por mim a pensar no mesmo este fim de semana...que devemos viver ao máximo e como queremos e não apenas sobreviver aos dias. E há tantas coisas simples que trazem felicidade...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É bem verdade Joana. Cada vez mais a idade mostra que a felicidade está nas pequenas coisas. Parece um cliché mas é a maior das verdades.

      Beijinho,
      Ana

      Eliminar
  2. Adorei tudo. E tens tanta razão , a vida é curta para não sermos felizes todos os dias :)

    Lisa 😘

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que bom Lisa, gosto de pessoas com este positivismo. :)

      Beijinho,
      Ana

      Eliminar

Blogger templates by pipdig