09 setembro 2015

Vida saudável: 2 meses depois

 Existe um dia em que te cai a ficha. Um dia em que percebes que não caminhas para novo e que tens que fazer alguma coisa por ti. Eu já falei aqui do enorme medo que senti quando me disseram que podia ter um AVC a qualquer momento se não controlasse a hipertensão. A grande maioria de nós só decide mudar quando bate com a cabeça na parede. Eu decidi não arriscar, poderia bater com a cabeça e ser o maior choque da minha vida. Poderia mesmo não ficar cá para contar a história.

 Sempre fui magra. Nunca fui aquela magra esquelética porque sempre tive as minhas curvas. Fui abençoada? Em parte sim. O que todas nós queremos é comer aquilo que nos apetece e não engordar sequer 50 gramas. Posso dizer que há mais de 10 anos que o meu peso apenas oscila entre 51 e 53 Kg, nem mais nem menos. Existe um preconceito com as pessoas com excesso de peso mas também existem muitas pessoas mais gordinhas a tentar mandar abaixo quem não consegue subir os números na balança. Inúmeras vezes chorei por me dizerem "Que horror, estás tão magra.".
 Não é bom de ouvir e a nossa auto-estima começa a roçar o chão. Eu nunca cheguei perto de alguém e disse "Ai estás tão gorda!". Isso seria uma grande crueldade, certo? Então porque não pensar antes de dizer a uma pessoa magra que ela está excessivamente magra? O olhar de pena e a célebre pergunta "Estás doente?". Isso magoa, destrói e não é benéfico para a pessoa. Pensem duas vezes antes de dizerem a alguém de forma depreciativa "Estás magra.". Não sabemos a origem e os problemas por detrás desse défice de peso.

 Como sempre tive a auto-estima controlada isso nunca me preocupou muito. Mas já tinha falado com outras pessoas a quem tinham feito comentários horríveis e que entraram mesmo em depressões. Sempre lidei bem com o meu corpo e a decisão de me inscrever no ginásio partiu da necessidade de melhorar a minha saúde. Sabia que tinha que ser assim, tinha que me inscrever e sentir a obrigatoriedade de lá ir pelo menos duas vezes por semana. Nunca fui fiel a ginásios e a treinos mas a verdade é que o exercício ao ar livre e de livre vontade nunca iria acontecer.

 Decidi então mudar drasticamente a minha vida, aliar uma alimentação saudável à prática de exercício regular. Juntei ainda o útil ao agradável e consegui o corpo que sempre quis: tonificado. Passei de "magra" a saudável. Faço um treino diversificado para pernas, rabo, braços e abdominais. Os resultados começam agora a surgir: abdominais definidos (já eram mas melhorou muito), pernas tonificadas e rabo redondo e maior. Para quem achava que eu ia colocar os pés no ginásio e iria perder peso enganou-se. Desde que as coisas sejam bem feitas, os treinos adaptados às necessidades de cada um e em casa fazer uma alimentação saudável não há como falhar.

 Sei que desde então nunca mais ninguém me disse "Que horror, estás magra!". Os resultados são visíveis para mim e para quem me rodeia pois já me disseram que os músculos das pernas estão bem tonificados. Basta isto para nos sentirmos motivados. Não conseguimos nada porque queremos, conseguimos porque trabalhamos.

 Na alimentação quase aboli os fritos, refrigerantes e doces. Quase porque não sou adepta de cortes radicais, de benéfico tem pouco ou nada. Introduzi mais fruta, frutos secos, sopas (muito importante!), saladas, carne branca, peixe e vegetais. Sou sincera quando digo que não tenho saudades das batatas fritas e dos chocolates. É tudo uma questão de hábito e não custa tanto como parece.

A minha grande vitória? Consegui controlar a hipertensão "apenas" com a alimentação variada e o exercício físico. Está controlada sem recurso a medicamentos e estou muito grata pela decisão que tomei. Achei que era conversa fiada dos médicos mas a verdade é que muda a nossa vida e sou prova disso. Treino 3 vezes por semana no ginásio e em casa, não passo um único dia sem fazer exercício. A verdade é que também já não consigo passar sem esta rotina.



Julho 2015


Agosto 2015


Setembro 2015



Treino cerca de 3 vezes por semana e quando não é possível ir até ao ginásio treino em casa.


Faço exercício todos os dias, nem que seja em casa: prancha, squats, abdominais, flexões, pesos, pointers e passadeira.
SHARE:

5 comentários

  1. Compreendo perfeitamente o teu ponto de vista. Comigo foi parecido, se bem que a mudança se deu devido aos elevadíssimos valores do colesterol. Força! O mais difícil já fizeste. Decidir mudar. E mudar. Agora é continuar o bom trabalho! ;)
    Beijinho
    Cris

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Felizmente ainda não tenho que lutar contra o colesterol. Se tivesse seria uma bomba relógio. A Hipertensão já me dá água pelas barbas! :P
      Obrigada pelo incentivo!!

      Grande Beijinho Cris

      Eliminar
  2. Como entendo este texto...
    Beijinhos e parabéns! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como digo muitas vezes Filipa: O nosso corpo é capaz de tudo, do impensável. É a nossa cabeça que temos que mudar. :)

      Beijinhos e muito obrigada!

      Eliminar
    2. Sem dúvida, Ana! Mas às vezes a luta é exatamente para aguentar as "bocas" dos outros.
      Também já escrevi sobre isto, porque as pessoas conseguem ser tão cruéis ao ponto de nos fazer sentir verdadeiramente mal e com a auto estima em baixo. Para mim, engordar é uma luta diária, mas hei-de chegar lá! :)
      Um beijinho grande e obrigada pela partilha...

      Eliminar

Blogger templates by pipdig