03 junho 2015

Ana Sales Jewelry | Visita ao atelier e entrevista

 Foi com muito gosto que visitei o atelier da joalheira Ana Sales no passado dia 23 de Maio. Já sabia que ia gostar mesmo antes de entrar no atelier. A simpatia da Ana e da Joana (quem me contactou da parte comercial) é contagiante. Pedi que escondessem tudo antes de eu chegar porque sabia que ia perder a cabeça! "Deixem só os brincos que escolhi de parte e escondam tudo o resto, por favor!"
 O atelier está situado numa zona nobre da cidade de Lisboa, a Baixa. Fui recebida com imenso carinho e simpatia por parte da Ana. Para além de ser uma artista de mão cheia é uma pessoa encantadora. Gira, simpática, prestável e com um bom gosto indescritível. Para além de poder observar cada colecção ao pormenor, ainda tive a oportunidade única de perceber como funciona uma oficina de joalharia. E se eu vos disser que a prata parece arroz quando é comprada como matéria-prima? É verdade. Existe depois o processo de transformação até começarem a surgir peças maravilhosas pelas mãos da Ana.
 Para além das peças de joalharia pelas quais me perdi de amores, conheci também a marca da Ana e da irmã, a Quimonno. Não é preciso dizer que a originalidade e bom gosto se estende desde as peças de joalharia de autor até aos Quimonos. Quem tem bom gosto tem bom gosto e ponto final parágrafo.
 Quero agradecer à Ana e à Joana toda a atenção e simpatia e o convite para ficar a conhecer a joalharia de autor e como funciona até à peça estar terminada. Agradeço ainda a disponibilidade da Ana para me conceder a entrevista para o Anna e pelo momento tão bom que passei no atelier. Continuação de bom trabalho, muitas encomendas e que continues a ser a excelente profissional e pessoa fantástica que és!




ASL - Em primeiro lugar fala-nos um pouco sobre ti. Quem é a Ana Sales?

Ana - (Risos) Bem, começamos bem com perguntas difíceis. A Ana Sales enquanto joalheira não é muito diferente da Ana Sales "não-joalheira". Gosto de trabalhar nisto todos os dias. Tirei um curso de arquitectura e não gostei. Quando acabei o curso nem sequer pus a hipótese de trabalhar. Foi então que fui tirar o curso de joalharia, por acaso, porque nunca tinha pensado nisso. Achei a ideia engraçada, a minha Mãe deu-me essa ideia e eu achei que seria algo diferente e bom. Quando acabei o curso surgiu a oportunidade de criar esta oficina com amigas e colegas de curso.

ASL - Mas isso é óptimo, fazer o que gostamos e trabalhar com amigas..

Ana - Sem dúvida! É óptimo e a pessoa tem que estar agradecida todos os dias por fazer aquilo que gosta. É uma vontade diferente de vir trabalhar todos os dias, mesmo ao Sábado.

ASL - Quando começou esta paixão pela arte da joalharia de autor?

Ana - A paixão veio depois mas posso dizer que começou com o fim do curso de arquitectura. Comecei a embrenhar-me um pouco neste mundo e desde há cinco anos, foi quando entrei para o curso, tem vindo a crescer bastante. Já não me imaginava a fazer outras coisas.

ASL - Quais são as tuas principais inspirações para criar as tuas peças?

Ana - Eu inspiro-me imenso na Natureza, mas também quem é que não se inspira? Eu tenho um fascínio imenso por folhas, folhas secas. Adoro o som das folhas a partir. Tudo isso me faz andar à volta do tema das folhas. Depois o tema do mar e dos animais marinhos também me inspira imenso, principalmente agora quando começar o calor. Mas sem dúvida que a Natureza, as folhas, os ramos é um tema constante no meu trabalho.

ASL - A joalharia mudou a tua vida?

Ana - Mudou, sem dúvida alguma. Foi assim uma lufada de ar fresco quando estava desmotivada com o curso de arquitectura. Já não estava a imaginar o meu futuro a trabalhar em arquitectura, portanto já não sabia muito bem o que ia fazer. Mas com o curso de joalharia e todo o trabalho em joalharia mudou bastante, para melhor!

ASL - Achas que esta arte é pouco explorada e é pouco apreciada no nosso país?

Ana - Não, de todo. Há a alta joalharia e a joalharia mais clássica que é sempre muito apreciada mas a joalharia de autor e esta nova corrente artística acho que tem crescido imenso. As pessoas começam a aprender a dar mais valor e a perceber que afinal isto também dá trabalho.

ASL - Achas que há cada vez mais jovens interessados em explorar essa área?

Ana - Eu sinto que sim, principalmente na leva dos meus colegas. Muitos deles seguiram joalharia e continuam a trabalhar na área. Estão a criar as suas marcas e continuam a desenvolver o seu trabalho o que é muito bom.

ASL - A que tipo de Mulher se destinam as tuas peças?

Ana - Eu gosto de acreditar que são Mulheres simples que trabalham e gostam de peças para o dia-a-dia. Peças diferentes mas versáteis, ou seja, são peças que uma pessoa coloca de manhã e sentir-se confortável ao longo do dia e ao final do dia mudar de toilette e continuar com as mesmas peças e ir sair à noite, por exemplo. Eu gosto de pensar que são peças com as quais a Mulher se sente confortável e que ao mesmo tempo tenha algum glamour.

ASL - Qual é a tua peça/colecção preferida e aquela que diz mais sobre ti?

Ana - Elas saem todas de mim, do meu trabalho e daquilo que me inspira. A colecção em que eu invisto mais e que penso mais talvez seja a RAMI tem a filigrana e é uma colecção onde tenho que despender mais tempo. É um trabalho mais demorado, que exige mais de mim. Ainda por cima é o tema das folhas e é uma colecção em que eu pensei durante muito tempo. Não sabia muito bem como é que haveria de fazer mas resultou muito bem e é uma colecção que quero fazer continuamente.

ASL - Quais os teus planos para a marca Ana Sales Jewerly?

Ana - Essa é uma pergunta que me fazem muitas vezes e fico sempre sem saber responder. Eu gosto imenso do facto de eu fazer as peças e ser uma marca do tipo "eu faço, eu vendo, eu trato das fotografias, trato do marketing". De repente penso que gostava de ter imensa lojas. Gostava imenso mas secalhar não gostava assim tanto. (risos) Depois a Ana deixava de ser joalheira e passava a ser dona das lojas. Cada peça é feita por mim, foi tempo e trabalho que eu despendi. Sei quando faço cada peça, sei a história por trás da encomenda, acabo por conhecer as pessoas e não gostava de perder essa ligação que tenho às peças e aos clientes.

ASL - Onde podemos encontrar as tuas peças, para além do atelier?

Ana - Tenho uma loja online no ETSY e ando a tentar encontrar outros pontos de venda. Para já tenho na Ourivesaria Sarmento, na Baixa, tenho uma amostra das minhas colecções. Estou muito contente porque está a correr muito bem. É outro público, não é o meu público. Não são os clientes que vêm à Oficina ou compram online mas também está a aderir.

ASL - Disseste que estavas à procura de mais pontos de venda...

Ana - Sim mas estou mais focada na parte da oficina e de criar as peças. Por isso mesmo tenho a Joana a ajudar-me porque não tenho jeito nenhum para tentar vender as minhas coisas. Faço muito melhor do que vendo! (risos). A parte comercial não é a minha praia.

ASL - Queres deixar uma mensagem às leitoras do Anna?

Ana - Visitem o site e espreitem todas as minhas colecções!



Ferramentas com história.


A artista, Ana Sales.


Com as mãos na massa.


Adorei a bancada de trabalho da Ana. É aqui que as peças nascem, é aqui que a magia acontece.


Atenção: usar peças de joalharia de autor da Ana Sales podem causar vaidosice extrema. 


Temos o nome em comum, a boa disposição e gostamos de utilizar garrafas de Gin Hendrick´s na nossa decoração.


Os meus brincos. Admito que ainda não os larguei desde então.




Socorro! Gosto de tudo.


Os quimonos m-a-r-a-v-i-l-h-o-s-o-s concebidos pela Ana e pela irmã. Os mais atentos sabem qual foi a minha escolha.

Visitem o facebook e a loja no ETSY da Ana Sales.

Percam-se também pelos quimonos da Quimonno. Não tentem resistir, não vão conseguir.


Obrigada de coração pelo carinho Ana!

SHARE:

2 comentários

  1. OHHH A D O R O tudo

    Obrigada querida Ana !!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda bem que gostaste! Fico mesmo muito feliz. :)

      Beijinhos*

      Eliminar

Blogger templates by pipdig