17 novembro 2014

A porra da saudade

 Há saudades que são desmesuráveis. Quem me dera que pudesse dizer que tenho saudades tuas e corresse disparada para os teus braços à procura de colo, de mimos, de um abraço. Que estúpidos que são aqueles que sentem saudades e não fazem nada para as minimizar. Ah pudesse eu matar as minhas...
 Está a chegar a nossa época preferida Avô, o Natal. Foste tu que me ensinaste a vivê-la com toda a magia e amor que dela fazem parte. Mesmo já com alguma idade parecias sofrer do síndrome do Peter Pan nesta altura. Ensinaste-me que se olharmos para as coisas com os olhos de criança tudo parece diferente, tudo parece verdadeiro e mágico. Foi o que sempre fiz e continuarei a fazer por ti, para me lembrar que podemos voltar a ser crianças uma vez por ano, mesmo com 76 anos.
 No Sábado passado ouvi a primeira música de Natal deste ano, a tua preferida: The first Noel de Frank Sinatra. Sei que me ensinaste que as meninas também têm que ser fortes e rijas, não são só os rapazes. Aquela lágrima que correu pela minha cara foi rapidamente enxuta para a Mãe não se aperceber. Apesar de sentir saudades tuas todos os dias sabes que esta época é especial para mim, para nós. Sabes que vou continuar a fazer o presépio com musgo verdadeiro, como tu gostavas. Este ano deve haver muito para apanhar, precisava da tua ajuda. A árvore vai ter centenas de luzes brancas em piscadelas constantes que nos faziam ficar embasbacados a olhar para elas.
  Tenho saudades do teu abraço e do teu cheiro. Que saudades de te ver sorrir e do brilho dos teus olhos. E os teus beijos que faziam cócegas por causa do bigode? Dava tudo para os receber neste momento. As vezes que disse que te adorava foram insuficientes, os beijos que te dei foram poucos e se pudesse eternizava o teu sorriso.
  Ter saudades e não poder dar cabo delas é o pior sentimento que me atravessa de uma ponta à outra. A porra da saudade é tramada e tu não me ensinaste como arrumo com ela. A cada dia que passa, cada ano, cada Natal percebo que não posso acabar com ela e ela também não vai acabar comigo, isso é que não Avô! A saudade existe para me lembrar todos os dias que aqueles que amamos são eternos na nossa memória e no nosso coração. A saudade existe para nos dar a oportunidade de dizer uma e outra vez que alguém é essencial para nós. A saudade existe para percebermos quem devemos manter do nosso lado para todo o sempre. Existe para nos fazer perceber que não devemos trancar o "amo-te", "adoro-te", "fazes-me tanta falta" ou "desculpa". Um dia estava a dizer que te amava e enchi-te de beijos repenicados, no dia seguinte uma parte de mim foi-se embora contigo. Guarda-a bem só para ti, era uma das minhas melhores partes mas a que tu me deixaste é bem melhor.
SHARE:

2 comentários

  1. Tão bonito! Também já escrevi sobre a saudade. Qualquer dia coloco no meu blog para veres. A saudade acho que é dos sentimentos que mais dificuldade tenho em explicar!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É o mais difícil de explicar e também o mais difícil de lidar. Todos os dias é um desafio porque a conta da saudade cresce mais um pouco.

      Beijinho

      Eliminar

Blogger templates by pipdig